01 setembro 2006

A mesma equipa, agora no pavilhão

A foto é da mesma equipa que a foto anterior com a inclusão do roupeiro, o Sr. Albano. O Sr. Albano era uma pessoa curiosa. Uma das suas características era afirmar sempre que o Benfica ganharia o jogo com maior ou menor dificuldade conforme as circunstâncias. Normalmente acertava.
Esta foto mostra alguns pormenores curiosos. Para os mais novos, podem reparar que o relógio do tempo de ataque tem 30 segundos. Nem sempre foram 24 e isto é importante porque permitia que, na Europa, uma equipa como o Benfica que defendia como ninguém controlasse ainda mais o tempo de ataque até porque quando não se sabia o que fazer à bola dava-se ao Lisboa que ele lá saberia como resolver.
As tabelas ainda são aquelas antigas penduradas no tecto. Quantas vezes não terá o jacques balançado aquelas tabelas. Há ainda as bancadas sem cadeiras e a rede à volta do pavilhão. Era frequente haver sócios pendurados nas redes a refilar e insultar com os árbitros. A retirada das redes fez com que o ambiente fosse menos hostil para com árbitros e adversários. No fundo retirou-se a protecção... dos malucos e não dos atletas como as cabeças pensantes costumam afirmar.
A foto foi tirada após mais uma conquista de uma taça de Portugal.

3 comentários:

besouro disse...

Eu julgo que as redes que refere estavam ali por causa do hóquei em patins e não do basquetebol.
É pena não existirem fotografias das bancadas porque uma das coisas que eu achava curioso é que os espectadores eram quase sempre os mesmos. E haviam alguns quase tão famosos como os jogadores. O Jean Jacques chegava inclusivamente a brincar com alguns espectadores aquando dos descontos de tempo.
O local mais apetecível para assistir ao jogo era por trás do banco do Benfica. O Mário Palma, sempre com um ar de poucos amigos, era outro espectáculo dentro do espectáculo.
Grandes tempos e grandes tardes passadas no pavilhão da luz.

Pelicano disse...

A lei obrigava à existência de redes até que, certa vez, a FIBA obrigou o Benfica a retirá-las nos jogos europeus. Essa exigência fez com que tembém nos jogos nacionais passasse a ser permitido não ter redes. Tanto que, a partir daí, a rede do hóquei passou a ser uma rede do género das redes das balizas e deixou de ser esta rede horrível.
Quanto aos espectadores habituais haveria pelo menos uns 200 que não falhavam 1 jogo. Para mim o mais emblemático era o Zé Fradilha, também conhecido por Zé sem pescoço.

besouro disse...

Nem mais, esse Zé era um grande cromo. O Jean Jacques chegou a andar com ele ao colo. Ele dava-lhe pelos calções.